A necessidade Filosofia para o Ensino Médio


Considerada indispensável ao currículo do Ensino Médio, a Filosofia e a Sociologia foram aprovadas, em julho de 2006, pela Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação (CNE), como disciplinas obrigatórias no currículo do Ensino Médio.

Tal exigência se deu devido à percepção que educadores tiveram ao constatar osbenefícios que a disciplina oferece aos alunos que trabalham com ela. 
A Filosofia em especial, leva o aluno à oportunidade de desenvolver um pensamento independente e crítico, ou seja, permite a ele experimentar um pensar individual. Sabe-se que cada disciplina apresenta suas próprias características, bem como auxilia a desenvolver habilidades específicas do pensamento que é abordado.

No caso da Filosofia, essa permite e dá oportunidade de realizar o pensamento de maneira bastante pessoal. 
O Ensino Médio é geralmente considerado pelos educadores como uma fase de consolidação do aluno jovem, de sua personalidade e seus desejos, a Filosofia apresenta um papel importante e fundamental no sentido de colaboração.

A Filosofia é bastante questionada enquanto disciplina, é necessário que os educadores se conscientizem de que o ensino não deve ser considerado como uma disciplina a mais a ser ensinada. O ideal é que o professor que tem a responsabilidade de aplicar tal disciplina tenha em mente o quanto é necessário fazer com que seus alunos não fiquem dependentes de livros didáticos, não desmerecendo, mas no sentido de não tender para os tão famosos “decorebas” de idéias e autores.

Aos educadores que se preocupam com a melhor forma de aplicar a Filosofia, não existe receita pronta. Recomenda-se a priorização de práticas que favoreça a formação de jovens capazes de desenvolver seu próprio pensamento e crítica, formando cidadãos capacitados para enfrentar as diversas situações que poderão surgir em suas vidas.

A Filosofia é fundamental na vida de todo ser humano, visto que proporciona a prática de análise, reflexão e crítica em benefício do encontro do conhecimento do mundo e do homem.

Por Elen Cristine



Escrito por Isaías às 08h35
[] [envie esta mensagem] []



Pedofilia, prazer e desejo pelos inocentes

Pedofilia,  prazer e desejo pelos inocentes

Deitada na cama, imóvel e com um olhar intrigante ela vai olhando aquele homem sair do quarto. Ele olha para ela com um olhar de desejo. Naquele momento não dá mais para continuar o que começaram. Ele diz:

- Depois continuamos.

Ela calada apenas olha e não consegue dar nenhuma resposta. O nome dela é Laura, loura, cabelos bem cuidados e pele macia. Idade: 9 anos. Ele forte, homem bem educado, ocupa um bom cargo na sociedade. Idade 40 anos. Outro detalhe, pai de Laura.

A beleza de Laura não tem nenhuma conotação erótica. Tem apenas uma beleza de criança. Criança que assim com outras teve a inocência roubada. O homem, um pedófilo deseja a filha mais do que tudo.

Mas o que é a pedofilia? E o que leva uma pessoa a ser pedófila? A pedofilia por ser definida como uma perversão sexual, um distúrbio psíquico caracterizado pela obsessão por práticas sexuais não aceitas pela sociedade, como o sadomasoquismo entre outros. Já o que leva uma pessoa a ser pedófila já é um pouco mais complicado.

Que tipo de pessoa se excita com crianças? Por que as crianças atraem sexualmente uma parcela considerável da humanidade?

Uma pesquisa levantada pela Universidade de São Paulo mostra que por medo da reação da sociedade, grande parte dos casos de pedofilia familiar são mantidos em segredo. Uma estatística levantada pelo Laboratório de Estudos da Criança (Lacri) da Universidade de São Paulo (USP), mostra a amplitude do problema. O relatório registrou, durante 2001, 1 723 casos de violência sexual contra menores no âmbito doméstico.

Tratar de assuntos tão delicados como esses mexe na ferida de muitas pessoas. A maioria dos pedófilos está no lar. Muitos desses sofreram abuso em sua infância. Agora por uma não superação de trauma tentam fazer o mesmo que sofreram.

É de extrema importância a sociedade se ater a temas como esse, pois não se pode deixar que casos assim passem despercebidos aos nossos olhares.

Algo é certo, a criança necessita de ajuda e o pedófilo também necessita de ajuda. Ele deve ser julgado, como diz a lei. Mas não poder ser abandonado. É necessário que se faça uma análise de sua vida e de seus comportamentos e que esse possa se reintegrar a sociedade com ressalvas.

Muitas crianças que sofrem abuso jamais falarão para outra pessoa, pois sofrem ameaças ou simplesmente sentem vergonha. A pedofilia não é necessariamente relação sexual, mas pode estar simplesmente em carícias corporais que excitam o pedófilo.

Caros leitores, esse tema tem muito para se desenvolver. Desejo muito que mandem sua opinião pelo meu e-mail que se segue abaixo.

Dou-lhe um conselho. Cuidado de seu filho, pois a inocência infantil deve ser preservada.

Professor, Isaias da Costa. Formado em Filosofia pela PUC-Campinas



Escrito por Isaías às 19h57
[] [envie esta mensagem] []



quem busca o melhor sempre terá o /melhor para a sua vida, não se esqueça: você pode!



Escrito por Isaías às 08h48
[] [envie esta mensagem] []



“E o aborto de Dilma?”

 

Estamos entrando no segundo turno das eleições presidenciais. Dilma tentou abocanhar o cargo presidencial já no primeiro turno, porém terá que aguardar mais 30 dias. Serra foi salvo por Marina Silva que surrupiou os votos petistas. E Marina fez uma bela campanha, talvez ganha daqui há 4 anos.

            Todavia o pensamento que vêm à baila quando conjeturamos o por quê da não vitória de Dilma é a sua opinião sobre o aborto. A oposição disse que o lado moral e ético de Dilma, que foram favoráveis ao aborto a fizeram-na  não ganhar no primeiro turno.  O tucano, José Serra, veio com um discurso anacrônico que ao se tratar da descriminalização do aborto. Ele é veementemente contra

            A petista tentará reverter sua opinião sobre a descriminalização do aborto durante esta campanha. O tucano verá nesse pequeno deslize de Dilma um trunfo para a sua pseudovitória. Por isso, vamos rever e analisar as propostas de ambos os candidatos ante de apertamos 2 dígitos na urna e depois a tecla CORFIRMA.

            O que me faz manifestar o pensamento sobre esse assunto não é somente o sim ou o não sobre o aborto. O problema não é tão simples como aparenta ser. Isso é uma questão moral e eticamente relacionado a um tema de Saúde Pública. E isso não é resolvido com apenas um SIM ou um NÃO.

            Dados da pesquisa realizado pela Data Sensus revelou que 1 a cada 5 mulheres já praticou o aborto. A maioria na faixa de 18 a 39 anos. Dessas 55% tiveram problemas depressivos.

            A tese da legalização do aborto  se pauta se pauta no sentido de que clínicas deixarão de serem clandestinas. Sendo assim, agirão na legalidade. Com o apoio do estado clinicas terão recursos e médicos e mães não serão punidos em fazer aborto.  De tal forma o risco à vida das mulheres será menor.

            Por outro lado, há o temor de que mais mulheres farão aborto e não haverá sem restrições para tal. E neste caso devemos tomar cuidado contra o genocídio abortivo.

            Quando tal assunto é tratado pelo governo, deve-se antes analisar quais são as políticas de saúde publica que estão sendo feitas. Será que não seria muito melhor investir em programas de conscientização social alertando sobre os possíveis traumas psicológicos que o aborto causa? Descriminalizar o aborto não é tão simples quanto parece. A Lei pela Lei quando não analisada torna-se mais um peso nevrálgico que o cidadão, principalmente o pobre, leva sobre seus ombros!

            Pense nisso! Não custa nada.

 

 Isaías da Costa:

Professor de Filosofia e Cidadania e Ação,Ensino Médio.



Escrito por Isaías às 19h52
[] [envie esta mensagem] []



“E o aborto de Dilma?”

 

Estamos entrando no segundo turno das eleições presidenciais. Dilma tentou abocanhar o cargo presidencial já no primeiro turno, porém terá que aguardar mais 30 dias. Serra foi salvo por Marina Silva que surrupiou os votos petistas. E Marina fez uma bela campanha, talvez ganha daqui há 4 anos.

            Todavia o pensamento que vêm à baila quando conjeturamos o por quê da não vitória de Dilma é a sua opinião sobre o aborto. A oposição disse que o lado moral e ético de Dilma, que foram favoráveis ao aborto a fizeram-na  não ganhar no primeiro turno.  O tucano, José Serra, veio com um discurso anacrônico que ao se tratar da descriminalização do aborto. Ele é veementemente contra

            A petista tentará reverter sua opinião sobre a descriminalização do aborto durante esta campanha. O tucano verá nesse pequeno deslize de Dilma um trunfo para a sua pseudovitória. Por isso, vamos rever e analisar as propostas de ambos os candidatos ante de apertamos 2 dígitos na urna e depois a tecla CORFIRMA.

            O que me faz manifestar o pensamento sobre esse assunto não é somente o sim ou o não sobre o aborto. O problema não é tão simples como aparenta ser. Isso é uma questão moral e eticamente relacionado a um tema de Saúde Pública. E isso não é resolvido com apenas um SIM ou um NÃO.

            Dados da pesquisa realizado pela Data Sensus revelou que 1 a cada 5 mulheres já praticou o aborto. A maioria na faixa de 18 a 39 anos. Dessas 55% tiveram problemas depressivos.

            A tese da legalização do aborto  se pauta se pauta no sentido de que clínicas deixarão de serem clandestinas. Sendo assim, agirão na legalidade. Com o apoio do estado clinicas terão recursos e médicos e mães não serão punidos em fazer aborto.  De tal forma o risco à vida das mulheres será menor.

            Por outro lado, há o temor de que mais mulheres farão aborto e não haverá sem restrições para tal. E neste caso devemos tomar cuidado contra o genocídio abortivo.

            Quando tal assunto é tratado pelo governo, deve-se antes analisar quais são as políticas de saúde publica que estão sendo feitas. Será que não seria muito melhor investir em programas de conscientização social alertando sobre os possíveis traumas psicológicos que o aborto causa? Descriminalizar o aborto não é tão simples quanto parece. A Lei pela Lei quando não analisada torna-se mais um peso nevrálgico que o cidadão, principalmente o pobre, leva sobre seus ombros!

            Pense nisso! Não custa nada.

 

 Isaías da Costa:

Professor de Filosofia e Cidadania e Ação,Ensino Médio.



Escrito por Isaías às 19h52
[] [envie esta mensagem] []



Aborto provoca baixaria contra Dilma

A discussão sobre o direito ao aborto não é um debate sério, mas apenas uma baixaria eleitoral contra Dilma Rousseff. É uma baixaria com o auxílio de José Serra que, como sabemos, apenas não fala o que pensa. E até de Marina Silva, cuja formação religiosa faz com que ela tenha um lado contemporâneo ligado a questões da sustentabilidade convivendo com uma visão atrasada - e aí entra o debate sobre homossexuais e célula-tronco.

As declarações de Dilma sobre o aborto foram sensatas e responsáveis. Na minha visão, favoráveis ao interesse da mulher e da saúde pública. Ela simplesmente disse que, apesar de ser contra o aborto, constatava que centenas de milhares de mulheres eram obrigadas a praticá-lo da pior forma possível. E o menos ruim seria ajudá-las a ter um atendimento humano, apoiadas pelo poder público.

De resto, essa é uma questão que, nem de longe, está no topo da agenda do país. Ou seja, toda a polêmica foi inflada aqui, maldosamente por muitos, apenas para virar votos.

Isso é o que dá quando tentam misturar religião e política.

Gilberto Dimenstein

 



Escrito por Isaías às 14h10
[] [envie esta mensagem] []



Em uma noite de quarta-feira depois de dar aula das 7h às 22h nada melhor que ir para a cama comigo mesmo  com meus pensamentos.

Boa noite!



Escrito por Isaías às 23h38
[] [envie esta mensagem] []



É assim que me sinto diante dos descasos governamentais diante do Meio Ambiente.



Escrito por Isaías às 22h06
[] [envie esta mensagem] []



 

A universidade vai abandonar os viciados?

Publicidade

 

 

A Universidade Federal de São Paulo tem um programa (Proad) que atende mensalmente cerca de 500 dependentes de álcool e drogas, sem cobrar nada --o que serve também para que se realizem pesquisas, algumas delas de impacto mundial, publicadas nas melhores revistas acadêmicas do mundo. Fiquei estarrecido (é o mínimo que posso dizer) ao saber que esse programa pode ser desativado este mês apenas pela falta de um imóvel.

O Proad funcionava numa casa alugada no entorno da Unifesp. O proprietário pediu de volta o imóvel. Mas não se sabe quando haverá um novo espaço.

Fico estarrecido porque lemos todos os dias nos jornais noticias graves sobre dependência de álcool e drogas, com suas graves consequências para a saúde pública. É, segundo as pesquisas, um dos temas que mais preocupam a opinião. Todos, sem exceção, os candidatos prometem programas para a dependência se eleitos.

Mas, na dura realidade fora dos palanques, um centro de excelência corre o risco de ser fechado apenas por casa de um imóvel.

Gilberto Dimenstein, 53 anos, é membro do Conselho Editorial da Folha e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário da Folha. Escreve para a Folha.com às segundas-feiras.



Escrito por Isaías às 23h27
[] [envie esta mensagem] []



Diga somente a verdade Bruno, apenas a verdade, nada mais que a verdade!



Escrito por Isaías às 00h24
[] [envie esta mensagem] []



CONSUMISMO. O PRAZER DE SE ILUDIR



Escrito por Isaías às 23h15
[] [envie esta mensagem] []



Dê sentido à vida

Sentido da vida.

Muitos devem se perguntar: De onde vim? Onde estou? Para onde vou?  Estas três perguntas podem gerar milhares de outras perguntas. Mas gostaria de me focar em um único objetivo. O que você tem feito com a sua vida?

Muitas pessoas chegam aos 30 anos e percebem que não conseguiram realizar 10% do que queriam. Outras completam 40 e percebem que não conseguiram realizar nem 5% dos seus planos. Cada um  tem seu motivo pessoal, mas o que não podemos fazer é estruturarmos ideias mirabolantes que estão fora de nosso alcance.

Para que seus planos tenham sucesso e consequentemente a  sua vida, você deverá traçar metas simples, que são alcançáveis.  Se quiser um companheiro bom,  escolha um bom parceiro, de preferência àqueles que te respeitem. Se tiver respeito já esta com 50% dos seus planos amorosos realizados.

Escolha um bom emprego. Esta parece ser uma opção mirabolante nos dias atuais. As vezes é mais fácil conseguir um bom companheiro que um bom emprego. Mas tente. Escolher um bom emprego não significa que ganhará quantias exorbitantes e terá privilégios eternos. E sim que poderá chegar à sua casa e dizer: “hoje valeu”.

E, por fim, dê um passo de cada vez, sem medo, você conseguirá. Primeiro um pé, depois outros, sem tropeçar. Se cair levante-se bola para frente. Dê sentindo a sua vida.

Professor Isaías da Costa



Escrito por Isaías às 16h32
[] [envie esta mensagem] []



Você consegue realizar seus sonhos?



Escrito por Isaías às 13h42
[] [envie esta mensagem] []



O segredo da felicidade!



Escrito por Isaías às 23h08
[] [envie esta mensagem] []



A arte Cativar!

 

E foi então que apareceu a raposa:
- Bom dia, disse a raposa.
- Bom dia, respondeu polidamente o principezinho que se voltou mas não viu nada.
- Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
- Quem és tu? perguntou o principezinho.
Tu és bem bonita.
- Sou uma raposa, disse a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o princípe, estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa.
Não me cativaram ainda.
- Ah! Desculpa, disse o principezinho.
Após uma reflexão, acrescentou:
- O que quer dizer cativar ?
- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
- Procuro amigos, disse. Que quer dizer cativar?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa.
Significa criar laços...
- Criar laços?
- Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos.
E eu não tenho necessidade de ti.
E tu não tens necessidade de mim.
Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás pra mim o único no mundo. E eu serei para ti a única no mundo...
Mas a raposa voltou a sua idéia:
- Minha vida é monótona. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei o barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora como música.
E depois, olha! Vês, lá longe, o campo de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelo cor de ouro. E então serás maravilhoso quando me tiverdes cativado. O trigo que é dourado fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento do trigo...
A raposa então calou-se e considerou muito tempo o príncipe:
- Por favor, cativa-me! disse ela.
- Bem quisera, disse o principe, mas eu não tenho tempo. Tenho amigos a descobrir e mundos a conhecer.
- A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não tem tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres uma amiga, cativa-me!
Os homens esqueceram a verdade, disse a raposa.
Mas tu não a deves esquecer.
Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"

Antoine de Saint-Exupéry



Escrito por Isaías às 23h13
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Meu perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Homem, de 20 a 25 anos, English, Spanish, Livros, Arte e cultura
MSN -



Histórico
Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
Conheça o Isaías no Orkut
UOL - O melhor conteúdo
Nova Brasil FM Ao vivo
E exibição de curtas-metragens brasileiros
Folha de São Paulo
Google
ARTIGOS
TEATRO ESCOLA MACUNAÍMA
Música Clássica de qualidade Cultura FM
MEU TWITTER